Teste: Volkswagen Virtus GTS é rápido e cheio de equipamentos

O motor 1.4 do Virtus GTS é o mesmo usado nos SUVs T-Cross e Tiguan, mas faz menos esforço para levar os 1.255 quilos do sedã. Isso significa que o modelo é ágil em praticamente todas as situações. As reações são rápidas em uso urbano e o sedã também consegue imprimir ritmos fortes na estrada. A suspensão é mais firme, mas ainda longe de ser desconfortável.


O acerto mais “justinho” deixa o Virtus GTS mais esperto aos comandos do volante e mais gostoso de dirigir. O sedã também é estável em velocidades mais altas e transmite segurança ao volante.


1.4 agrada no GTS


O 1.4 é valente e dá ótimo desempenho ao Virtus. No entanto, não espere um comportamento explosivo como os antigos Golf GTI, ou mesmo seu “primo” maior, o Jetta GLI. E a culpa do comportamento mais calmo é justamente o câmbio automático de seis marchas. A transmissão é boa, mas não tem as trocas quase instantâneas dos câmbios de dupla embreagem da marca. Mesmo no modo mais esportivo ou no modo manual, as mudanças mais lentas parecem limitar o desempenho do motor. Segundo a Volkswagen, usar uma transmissão de dupla embreagem no modelo encareceria demais o projeto.


Ainda assim, os 25,5 mkgf de torque aparecem já a 1.500 rpm e o Virtus GTS é bem esperto. O sedã mostra disposição numa faixa ampla de rotações, com pouco atraso vindo do pedal do acelerador. Basta pisar que o 1.4 responde.


Para dar um toque extra ao desempenho do Virtus GTS, a VW instalou um sistema que simula um som de escapamento esportivo para quem vai dentro do carro. O barulho é particularmente audível no modo esportivo de condução, mas não se engane. Apenas os ocupantes da cabine ouvirão o ronco simulado, por fora o ruído é o de um carro com escapamento convencional.


a técnica


Motor: 1.4, 4 cil, turbo, flexível


Potência (cv): 150 a 4.500 rpm


Torque (mkgf): 25,5 a 1.500 rpm


Comprimento: 4,49 metros


Entre-eixos: 2,65 metros


Porta-malas: 521 litros


0 a 100 km/h: 8,7 segundos


Prós


Conjunto mecânico: câmbio poderia ter trocas mais rápidas, mas motor é valente e desempenho bem melhor do que outras versões do Virtus


Contra


Acabamento: plásticos rígidos já eram problema em versões mais baratas do sedã. Em modelo mais caro, plásticos simples demais ficam ainda mais evidentes.

  • Fonte: Jornal do Carro /
  • Autor: Redacao /
  • Data: 18 fevereiro 2020
COMPARTILHE
NAS REDES SOCIAIS

MAIS NOTÍCIAS