Novo Série 3 encara XC60 em duelo entre sedã e SUV

No comprimento o Série 3 é 1 cm maior que o XC60. No entre-eixos, essa “vantagem” se inverte.


O Volvo sobressai em espaço e porta-malas. O BMW oferece melhores dirigibilidade e desempenho. O resultado do comparativo apontava para um empate, mas o sedã acabou vencendo (por meio ponto) por vir mais equipado de série.


O quatro-cilindros do Série 3 gera 258 cv, ante 254 cv do motor do XC60. E tem 5 mkgf a mais que os 35 mkgf do rival. Além disso, por ser 456 kg mais leve, o BMW tem ampla vantagem tanto ao acelerar quanto ao retomar velocidade.


De acordo com dados das respectivas fabricantes, o BMW vai de 0 a 100 km/h em 5,8 segundos, um segundo a menos que o Volvo. Ambos trazem um rápido e eficiente câmbio automático de oito marchas.


O Série 3 também é melhor quando o assunto é estabilidade e prazer de dirigir. Grudado no chão, em alta velocidade o sedã alemão passa muita sensação de segurança ao motorista. Mesmo com tração traseira (a do XC60 é 4×4), é muito estável mesmo em curvas fechadas.


Não que o Volvo seja ruim. Mas as respostas do sistema de direção são um pouquinho menos precisas que as do BMW.


Já o centro de gravidade mais alto do SUV se traduz em maior balanço da carroceria e menor eficiência ao encarar curvas. Controles de tração e estabilidade são de série nos dois carros.


A suspensão do Volvo tem ajuste voltado ao conforto, o que o deixa um pouco mais anestesiado. No BMW, apesar de a suspensão ser mais dura, os impactos contra as imperfeições do piso são filtradas com a mesma eficiência.


A posição de guiar do Série 3 é excelente. Os ajustes do volante e banco (elétricos) permitem que qualquer motorista, independentemente da estatura, fique bem acomodado.


A posição ao volante do XC60 é alta (como em qualquer SUV) e encontrar o ponto ideal é um pouco mais difícil que no Série 3. Por isso o BMW levou a melhor em ergonomia. A diferença de pontuação, porém, é mínima, já que no Volvo há comandos elétricos também para o banco do passageiro da frente – item não disponível no sedã.


Na distância entre os eixos, sedã e SUV são parelhos, mas no 330i o túnel central alto prejudica a acomodação de quem estiver no meio do banco de trás. No SUV, o assoalho é quase plano e há mais espaço para as cabeças dos passageiros.


O porta-malas do Volvo tem 505 litros, ante os 365 l do bagageiro do BMW. No sedã, dá para retirar o estepe e ampliar a capacidade para 480 l. A operação, porém, é complicada.


O acabamento do sedã evoluiu, mas perde para o do SUV na qualidade dos materiais. A central multimídia do Volvo é mais intuitiva (ambas têm tela sensível ao toque) e comporta Android Auto e Apple CarPlay (o BMW traz apenas o Apple).


O Série 3 traz a mais assistência ao estacionamento com função reversa, câmeras de 360°, carregador de celular por indução e inteligência artificial, além de ar-condicionado de três zonas (duas no SUV).


Os dois carros vêm com sistema semiautônomo de condução e painel virtual. O item manutenção não foi considerado pois não a BMW não tem revisão com preço fixo para o 330i.


Você gosta de ficar próximo ao chão quando dirige? E de sentir uma conexão forte entre homem e máquina? Se respondeu sim às duas questões e for fã de carros com tração traseira, o Série 3 é ideal para você. Mesmo com muita tecnologia nesta nova geração, o sedã manteve sua aura de carro-raiz, bom de guiar, que tanto encanta os entusiastas há gerações. Mas o BMW não trata as famílias tão bem. A falta de espaço no porta-malas e no banco de trás do sedã são questões contornadas com maestria pelo Volvo XC60. E o Volvo ainda oferece aquela posição mais alta de guiar, comum aos SUVs. Neste comparativo, o resultado foi tão apertado que deixou de ser uma mera questão de qual venceu, e sim do que o cliente prefere. Nos números de vendas, os sedãs estão perdendo feio para os SUVs. No segmento de luxo, Série 3 e Mercedes-Benz Classe C ainda fazem bonito. Mas também já sentem o avanço firme e contínuo dos utilitários-esportivos.

  • Fonte: Jornal do Carro /
  • Autor: Redacao /
  • Data: 26 junho 2019
COMPARTILHE
NAS REDES SOCIAIS

MAIS NOTÍCIAS