Ver o Peugeot 3008 pelas ruas brasileiras não é tão fácil. Mas o SUV médio, que chegou aqui no comecinho da década passada — ainda como crossover — faz enorme sucesso na Europa. Mérito da alta tecnologia embarcada, da oferta de motorização eletrificada e, por que não dizer, do visual ousado, que já de praxe na Peugeot. Seja como for, do lado de lá d" /> Ver o Peugeot 3008 pelas ruas brasileiras não é tão fácil. Mas o SUV médio, que chegou aqui no comecinho da década passada — ainda como crossover — faz enorme sucesso na Europa. Mérito da alta tecnologia embarcada, da oferta de motorização eletrificada e, por que não dizer, do visual ousado, que já de praxe na Peugeot. Seja como for, do lado de lá d" /> Novo Peugeot 3008 aposta em tecnologia e estilo, e mantém motor 1.6 THP; Veja os preços e versões - NX Motors

Novo Peugeot 3008 aposta em tecnologia e estilo, e mantém motor 1.6 THP; Veja os preços e versões

Nada de híbrido


Se você, neste momento, está se perguntado: “Mas não é híbrido?”. Pois é, foi a mesma pergunta que fizemos para o responsável pelo produto na Peugeot do Brasil, Victor Leite, que nos deu uma aula sobre o carro antes de botarmos o pé na estrada. De acordo com ele, no Brasil, a ideia é eletrificar a gama aos poucos. Por hora, apenas o 208. E, antes que você pense, o 1.2 Puretech turbo de 130 cv (disponível na Europa) também está descartado por aqui.


Ou seja, a ideia de aumentar potência e, não menos importante, abater imposto de importação, não esteve nos planos da Peugeot ao trazer o 3008. Para (tentar) justificar a escolha de não trazer para cá o modelo híbrido, a Peugeot afirma que a redução do consumo e das emissões de CO2 vêm do trabalho de arquitetura e da diminuição de massa do 3008 -, mas não especificou de onde tirou a tal massa.


Ainda em termos de manobrabilidade, o 3008 tem bom comportamento em curvas, direção direta e as suspensões evitam sustos, uma vez que não permitem rolagem extrema da carroceria. Em contrapartida, o 3008 mantém o mesmo problema que vem lá do começo: as batidas secas geradas pelos amortecedores. Isso poderia ser melhorado, afinal, dirigir em São Paulo é o mesmo que encarar trilha off-road.


Com as tais novidades, o SUV (de tração dianteira) tem até ajuste automático ao modo de dirigir do condutor. São três, que deixam a direção mais agressiva, mais suave, ou mais econômica. Antes, o 3008 tinha apenas o botão Sport. Mas ele não modificava a aparência do painel de instrumentos, como agora.


Voltando aos números, a 120 km/h, velocidade máxima das estradas brasileiras, o ponteiro do conta-giros estaciona pouco acima dos 2.000 rpm. Por falar em velocidade, a máxima, informa a marca, é de 235 km/h.


Design


Inspirado no novo 208, o SUV adotou pegou alguns elementos emprestado do irmão hatch, como o prolongamento dos faróis (redesenhados e que integram as luzes de neblina) em direção ao para-choque por um fino filete iluminado por LEDs, deixando bem clara a intenção de aderir a nova linguagem visual da marca. Para a marca, o citado detalhe tem a intenção de lembrar uma presa — afinal, a marca tem um leão como símbolo.


No capô, aparece o nome “3008” e, logo abaixo, quem dita as regras é a nova grade dianteira Frameless, de borda infinita. A grosso modo, forma-se um efeito degradê que invade o para-choque, não deixando espaço para delimitação. Não se sabe onde acaba a grade e onde começa o para-choque. Um tanto quanto interessante. O logotipo foi reposicionado.


Na parte de trás, quase nada mudou, mas continua com um toque de atualidade. A iluminação das repaginadas lanternas – cobertas por um acabamento em black piano — é feita totalmente por LEDs (inclusive na luz de ré). As “garras” têm efeito 3D e as setas são do tipo scrolling (rolagem, em português).


No habitáculo


Fabricado em Sochaux, na França, o 3008, assim como a concorrência, vem com uma ampla lista de itens de série. Afinal, não é tarefa fácil brigar com modelos do naipe de Audi Q3 e companhia. Para a Peugeot, foi-se o tempo em que o 3008 brigava com Jeep Compass.


Tem, de série, compatibilidade com o sistema MirrorScreen que inclui conexão Apple CarPlay e Android Auto. Tem uma entrada USB oara recarga de celular para os ocupantes dianteiros e duas para quem vai atrás. Sem contar o carregador Wireless.


No mais, alerta de atenção do condutor, assistência de farol alto e para declives, tampa do porta-malas com acionamento automático, teto solar panorâmico e massagem nos bancos dianteiros. De quebra, destaque para o Advanced Grip Control, antipatinagem otimizada com quatro modos de aderência (Normal, Neve, Lama, Areia) com pneus específicos.


Tecnologia de ponta


Saiu da faixa? Uma luz laranja acende no painel e o volante corrige sozinho a trajetória. Este é um dos assistentes inclusos no Peugeot Driver Assist Plus, que se traduz em auxílios à condução. Tem, também, os inéditos controlador de velocidade adaptativo com Stop&Go (para e anda), faz reconhecimento de placas de velocidade e o Active Safety Brake evita colisões a partir de 5 km/h até 140 km/h — detecta carros e pedestres.


O pacote é completo e traz, ainda, sensor de ponto cego, câmera traseira em 180°. O Visiopark 2, no entanto, oferece câmeras dianteira e traseira em 360°. Na hora de estacionar, o Park Assist oferece assistência ativa em vagas paralelas ou transversais.


Por dentro, quase tudo é novo


O habitáculo do 3008 é um show à parte. A começar pelos botões que lembram chaves de comandos de avião. Está mais moderno com a adoção do i-Cockpit 2.0. Tem novas telas no painel de instrumentos (12,3″) e no painel central (10″ na versão GT Pack) e o acabamento é excelente, com novos estofados em couro Alcantara Preto Mistral. Plástico duro, nem pensar!


O formato voltado ao motorista facilita a ergonomia. Permanece, também, a ideia do volante de diâmetro reduzido e painel de instrumentos posicionado um tanto mais para cima, facilitando a visão e, claro, embelezando ainda mais o interior.


O novo Peugeot 3008 está disponível nas cores: Azul Vertigo, Branco Nacré, Cinza Artanse, Cinza Platinium, Preto Perla Nera e Vermelho Ultimate. Tudo depende da versão de acabamento. Ah! O preço? Nada menos que R$ 229.990 na versão Griffe, e R$ 249.990 na configuração GT Line.


Abastecido apenas com gasolina (não tem alimentação Flex como em alguns irmãos tanto da própria Peugeot, como da prima Citroën), o motor gera o bom torque de 24,5 kgfm que surge a breves 1.400 rpm. É mais tempo com força total. Ponto para a linearidade do câmbio automático de seis marchas. Mas aqui tem novidade! Em nova geração, traz, agora, o comando por impulso elétrico e o modo Sport, cuja missão consiste em dar mais reatividade e dinamismo.

  • Fonte: Jornal do Carro /
  • Autor: Vagner Aquino, /
  • Data: 21 junho 2021
COMPARTILHE
NAS REDES SOCIAIS

MAIS NOTÍCIAS